J. K. Rowling

JK Rowling renuncia a liderança da MS Society Scotland

A Press Association publicou um breve artigo agora há pouco afirmando que a autora JK Rowling abriu mão do seu cargo de patrona da Sociedade Escocesa de Esclerose Múltipla (MS Society Scotland) devido à caridade estar se despedaçando por conflitos internos.

Agora me decidi relutantemente que não posso, em sã consciência, continuar sendo o rosto público de uma instituição que está mudando bruscamente daquela que já tive tanto orgulho de ser associada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os fãs devem se lembrar que Jo trabalhou ativamente em prol da associação, realizando diversos leilões e eventos beneficentes para arrecadar fundos para ajudar aqueles que sofrem de Esclerose Múltipla, doença que vitimou sua mãe.

Atualizado: O STV publicou uma versão maior do artigo com mais trechos do relato feito pela autora. Leiam-no traduzido na íntegra em notícia completa!

JK ROWLING
JK Rowling deixa caridade em “conflito”

STV
08 de abril de 2009
Tradução: Renan Lazzarin e Matheus Lisboa

A autora de Harry Potter, JK Rowling, deixou de ser patrona da Sociedade Escocesa de Esclerose Múltipla, alegando que a instituição está se ruindo por causa de uma briga interna.

A multimilionária, que apoiou a instituição de caridade por quase uma década, disse que o conflito entre a entidade escocesa e a gerência em Londres resultou em várias outras demissões.

Ela disse: “Agora me decidi relutantemente que não posso, em sã consciência, continuar sendo o rosto público de uma instituição que está mudando bruscamente daquela que já tive tanto orgulho de ser associada.”

A mãe da autora morreu da doença aos 45 anos de idade, em 1991.

Ela disse que tinha tomado essa decisão para retirar “com profunda tristeza e pesar”, mas acrescentou que o seu apoio financeiro de um projeto de pesquisa na Universidade de Edimburgo continuaria.

Ela disse em uma declaração: “Eu também continuo comprometida em financiar futuras pesquisas dentro dos tratamentos e causas da Esclerose Múltipla, e em campanhas por melhores cuidados e tratamento de pessoas com EM na Escócia, que é a capital de EM do mundo.”

“Essa doença tomou a vida da minha mãe aos 45 anos, e eu espero continuar dando tanto tempo quanto dinheiro a uma causa que permanece tão próxima do meu coração.”

“Eu não tomei a decisão de deixar a minha posição como patrona de MSSS levianamente. No final do ano passado, eu iniciei e compareci a uma sessão de mediação, na esperança de solucionar um duradouro e intenso conflito entre o conselho escocês e a administração em Londres, motivado pela imposição de mudanças por Londres.

“Infelizmente, pouco pude fazer. Com muita frustração e desapontamento, eu testemunhei demissões de pessoas imensamente dedicadas à SEEM e uma crescente desmoralização da equipe que eu conheci e admirei por mais de dez anos de nossa associação.”

Ela disse que seu desapontamento “não pode ser exagerado. Todavia, eu espero continuar a fazer parte no combate à falta de fundos e mal-entendidos que rodeiam a EM nos anos que virão. Eu também continuarei a esperar que a Sociedade Escocesa de EM consiga resolver suas dificuldades.”

Um porta-voz da Sociedade de EM disse: “JK Rowling foi uma grande benfeitora da Sociedade Escocesa de EM por muitos anos. Nós estamos tristes por ela estar se retirando e agradeçemos por todo o bom trabalho dela, e pelo suporte contínuo ao centro de pesquisa de EM em Edimburgo.”

“A Sociedade está no meio de uma análise de controle para termos certeza que estamos devidamente organizados a construir um excelente trabalho que nós já fazemos na Escócia e por todo o Reino Unido. Nós somos uma forte, democrática organização e essa análise está sendo feita em consulta com todos os nossos 43.000 membros.”

“Nós preferiríamos fazer isso com o envolvimento de JK Rowling, mas nós entendemos que essa significante mudança pode ser difícil. Nós encorajaríamos os apoiadores da Sociedade de EM a trabalhar conosco agora. A Diretoria está confiante de que o que estamos fazendo é apenas para conseguir o melhor suporte para as mais de 10.000 pessoas que vivem com EM na Escócia.”

Última atualização: 08 de abril de 2009, 21:06